sábado, 16 de julho de 2011

Sinta o amor...

Amor? Ah, o amor... há quem entenda desse sentimento a ponto de nos explicar o que ele significa? Cheguei à conclusão, após muito refletir, que o amor não se explica, não se entende, se SENTE! 

Ainda tenho vários textos, músicas e vídeos que quero compartilhar com vocês. São materiais que podem nos ajudar a refletir e perceber/notar/SENTIR o amor que temos guardado dentro de nós. Aquele amor que está, por vezes, escondido; retraído; que foi deixado num cantinho, sem uso, talvez por medo do "desconhecido". O mesmo amor que fazemos questão de dizer não existir. Que às vezes parece, mesmo, não existir.

Mas ele existe! E está, se você se dispuser a sentí-lo, guardado nas pequenas coisas: num sorriso tímido; num "oi" despretensioso e desinteressado; numa palavra de afeto, carinho; até mesmo numa bronca, numa chamada de atenção. 

Hoje eu posso dizer: eu sei o que é o amor. E aprendi da melhor forma possível: SENTINDO! E saiba que você também pode sentir, basta querer, se despir de seus medos, frustrações. Permita-se amar e ser amad@!
 
Enfim, chega de melodrama rs. Trago, pra terminar (embora sem acabar) a sessão sobre o amor, um texto que fala exatamente do que falei antes: de se permitir sentir o amor. Ele é quase que um chamamento ao amor, à nossa abertura para esse tão nobre sentimento, talvez o mais falado e o menos conhecido.  


 Eis o texto:

Sinta isso,

Sinta um futuro que a manhã vem trazer
Sinta isso,
Sinta o calor que te impulsiona a correr

Sinta sonhos, sorrisos, sinais. Solte mais alguns sim
Tente alcançar uma estrela perdida no espaço sem fim

Então Sinta isso,
Sinta errar a letra da sua melhor canção
Sinta isso,
Certas coisas não são pra caberem em um só coração

Veja os seus passos, pra onde eles querem te levar
Sinta o motivo daquilo que você sempre quis alcançar

Só Sinta isso,
Sinta o abraço bruto e eterno de um pai
Sinta isso,
A primavera que chega quando o inverno se vai

Note que as veias da sua alma estão ligadas em alguém
Chore nas chegadas e partidas, perdidas, numa antiga estação de trem

E sinta isso,
Sinta a alegria de não poder mais se controlar
Sinta isso,
Nove meses esperando o momento chegar

Escute a voz da fé, das flores, das cores, das luzes e olhares
Sinta um minuto sentindo saudade tornar-se milhares

Sinta tudo isso,
Sinta aonde for, no momento que for
Sinta isso
Sinta que isso é o amor.
                         (Sérgio Luis de Castro Júnior)

3 comentários:

Ana Carolina disse...

Adoreii !
Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
É um andar solitário entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É um cuidar que se ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade
É servir a quem vence o vencedor,
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade;
Se tão contrário a si é o mesmo amor?
Luís de Camões

Arthur Neto disse...

Caramba LÊ, achei muito boom o texto e muito booom também o poema.. Continua me surpreendendo..
abração!

Kaio Van Der Bilt disse...

Poutz, super me identifiquei nesse post. Adorei viu Lê? Algumas pessoas precisam sentir mesmo o amor. Pra dar valor sabe?
Abração.

Postar um comentário