sexta-feira, 16 de julho de 2010

Auto-retrato!

"Mordo o êxtase por inteiro.
Adoro prazeres.
Ergo flâmulas puídas.
Giro discos de plástico com conteúdo sonoro.
Respiro música.
Naufrago entre colapsos.
Rio convulsivamente.
Enfeito mil enfartes.
Faço das tripas coração.
Bebo água de chuva.
Não cremo remorsos.
Desenho estrelas.
Bordo risadas avulsas.
Costuro poemas.
Recrio paisagens.
Fotografo dias cinzentos, gosto deles.
Escuto música lenta.
Durmo de concha.
Lustro desejos e
Transpiro madrugadas em silêncio."


Esse poema, que certamente poderia ser parte de minha auto-descrição, não foi escrito por mim e sequer com o intuito de me descrever. O autor de tais palavras, as quais buscam, e certamente conseguem, desenhar seu auto-retrato, responde pelo nome de Luiz Dacosta Júnior; pra mim, apenas Jú. Ao lê-las, quase que o (me) vejo! E... me diz: quem não se vê em ao menos um dos versos?
 

2 comentários:

andré disse...

“A poesia não pertence ao poeta que a escreveu, mas a quem precisa dela”, e todos nós precisamos de poesia. All you need is love. abraço!

Arthur Alter L. disse...

Olá Leandro,
Através do blog do Jason eu acabei vindo parar aqui. Sempre que visito o blog dele eu acabo dando uma olhado nos seguidores dele foi assim que chegeui aqui. E sinceramente gostei. Adoro ler poesias, coisas que nos tocam de uma forma ou de outra com ternura ou as vezes com uma certa dose de inquietação.
Um abraço
Arthur

Postar um comentário